O que o mercado de trabalho futuro espera de mim?
O que o mercado de trabalho futuro espera de mim?

O que o mercado de trabalho futuro espera de mim?

  • Post Category:Blog

Nos últimos tempos, temos observado a uma rápida aceleração do mundo digital e da tecnologia em várias profissões. O modelo Online começou a estar mais presente em vários setores empresariais, assim como o teletrabalho.

Ao mesmo tempo que certas profissões estão em vias de extinção, outras estão a surgir, criando assim novas oportunidades e necessidades. Precisamos, assim, de nos adaptar a esta nova Era digital, onde se destaca a inteligência artificial, realidade virtual, robótica, entre outras tecnologias emergentes.

Então, onde ficam os humanos neste novo contexto laboral? O que podemos fazer para nos destacarmos dos Robots e Computadores munidos de Inteligência Artificial?

Por vezes, estas perguntas só começam a surgir quando se concluem os estudos ou se entra no mercado de trabalho. No entanto, há inúmeras coisas que se podem fazer ao longo da vida que nos permitem desenvolver, capacitar e “ganhar a qualquer robot”.

Primeiramente, importa falar de que competências o mercado de trabalho procura no candidato, e posteriormente sabermos como as podemos desenvolver.

Que Soft Skills (competências pessoais) são essas? Temos uma panóplia delas, tais como:

  • a capacidade de adaptação a determinadas situações inesperadas/stressantes e a capacidade de resolução de conflitos/problemasao contrário dos robots, que estão automatizados, nós humanos, temos a capacidade de pensar em formas de solucionar problemas que não são antecipados;
  • a capacidade para tomar decisões (comparar, analisar, selecionar, justificar) – os robots também têm, no entanto de forma prevista, tudo o que surja de novo, é um entrave para estas máquinas;
  • a facilidade e qualidade da comunicação são características que não são inerentes ao robot, eles podem comunicar mas não de forma empática e espontânea;
  • a ética laboral (princípios/valores) de cada um;
  • a motivação/paixão, duas emoções com as quais não existe competição, assim como a postura de positividade;
  • os conhecimentos informáticos que possuis – Networking – muito importante nesta nova Era digital;
  • o pensamento criativo – um robot não o é;
  • o pensamento crítico (capacidade de argumentação) – o robot é mecanizado, apenas tem resposta para a base de dados que foi descarregada nele;
  •  o trabalho em equipa – o robot apenas trabalha de forma individual, não tendo sensibilidade para se relacionar com o outro, característica importante no atendimento ao público e em negociações por exemplo. 

Mas como desenvolver estas capacidades?

Podes desenvolvê-las através de atividades que incorpores no teu dia-a-dia. Por exemplo, as atividades extracurriculares sejam elas desportivas, artísticas, tecnológicas e/ou religiosas, permitem-te desenvolver várias dessas capacidades e descobrir quais são as que mais fazem sentido para ti, ou por outro lado conheceres aquelas que necessitas treinar mais. O voluntariado também é bastante valorizado pelas empresas, pois permitem-te desenvolver um sentido social, de entreajuda, aprendizagem. Ambas as opções proporcionam um desenvolvimento pessoal e interpessoal, promovendo a comunicação e o trabalho em equipa.

Neste momento, as escolas têm diversos programas de estudo em instituições estrangeiras (Erasmus, Programas de Mobilidade, Gap Year, Intercâmbio, entre outros) com o apoio de diversas bolsas. Estas iniciativas e apoios para além de te permitirem viajar, conhecer outra cultura/país, outros métodos de ensino, possibilitam a aprendizagem de uma nova língua, e à consciência das responsabilidades que tens para contigo e para com outros (pais, professores, entre outros). O domínio de uma língua estrangeira torna-se também bastante valorizado por facilitar a comunicação com outras empresas internacionais. Cada vez mais o mercado de trabalho não se restringe a um país, mas sim ao mundo.

Podes também participar em Challenges na União Europeia, nas áreas da robótica, empreendedorismo, programação, e em projetos de equipa, por exemplo. De modo a adaptarmos a esta nova Era digital, tecnológica, com robots e inteligência artificial, necessitamos de estar em constante atualização dos nossos conhecimentos, sermos proactivos, com espírito de iniciativa e sentido empresarial.

Com estas dicas nenhum robot te chegará aos pés!

Conhece mais sobre a Bioplus aqui: www.bioplus.pt